Sua marca está pronta para o mundo mobile?

Sua marca está pronta para o mobile?

Sua marca está pronta para o mobile?

Em um trecho do nosso primeiro texto de 2016 apontamos o investimento no mundo digital como uma das saídas da crise. Contudo, falar de digital em 2016 é falar do mobile. Mobilidade, estar conectado à internet em qualquer lugar do mundo sem necessitar de fios ou computadores.

Segundo um estudo divulgado pela Agência de Marketing We Are Social, 78 milhões de pessoas no Brasil se conectam a internet via smartphone. Um número impressionante, tendo em vista que a internet nacional não é tão boa e sua cobertura idem. Além disso, o smartphone representa apenas uma forma de se conectar via mobile, os tablets fazem parte de uma parcela significativa nessa conta, além dos novos gadgets no mercado, como os smartwatchs (relógios inteligentes com conexão à internet que funcionam em conjunto ao smartphone).

Outro número impressionante a favor do mercado mobile é o tempo gasto diariamente pelos brasileiros na internet via smartphone. Cerca de 3h e 47m, praticamente uma hora a mais do que na TV, que representa 2h e 49m gastos. Muitas vezes o telespectador assiste a TV em conjunto ao smartphone, prova disso é a interação de vários programas da TV com redes sociais.

Hoje o smartphone se tornou uma extensão do corpo humano, muitos de nós são totalmente dependentes de seu aparelho para trabalhar, se comunicar, se transportar, praticar esportes, seguir a dieta, cuidar da saúde, exercer o seu lazer, e mais, o smartphone é uma central de gerenciamento da vida humana. Isso sem citar os heavy users, que passam muito mais tempo com seus smartphones, consumindo produtos e serviços, se relacionando, tirando fotos do cotidiano e etc.

Detalhe: Esses números só tendem a crescer em 2016, 2017 e assim por diante. Com o avanço da tecnologia os smartphone se encarregam de mais funções, tornando o computador uma segunda opção na hora de se conectar.

E como minha marca pode entrar nesse mercado?

A Moke responde pra você em alguns passos, e o primeiro é conhecer o seu público alvo. Vários fatores decidirão a favor ou contra o investimento em mobile a partir de uma pergunta: Seu target utiliza smartphone?

Grande parte dos brasileiros estão conectados, mas uma pequena parcela da nação não tem acesso à internet. Então a partir dessa resposta você decide se leva sua marca para as mãos dos consumidores ou investe em mídias mais tradicionais, como televisão, jornal, rádio e etc.


O segundo passo é definir como entrar no mercado. Site mobile ou APP?

Se a sua marca tem um site provavelmente ele é responsivo (adaptável a todos os tipos de telas). Se você se adequa a essa categoria então você já possui um site mobile. Caso não corra enquanto há tempo, você precisa urgentemente de um site responsivo, pois a cada dia que se passa você perde inúmeras visualizações de usuários vindos do mobile, além de ser ranqueado como um dos últimos em buscadores como o Google. Ou você pode ter um site nativo em mobile, sem versão para computadores.

Mas se você não possui um site (responsivo ou não), ou APP (aplicativo de uso em tabletes ou smartphones, adquiridos via Google Play nos sistemas Android, APP Store no IOS e  Windows Phone Store para Windows Phone), então essa próxima pergunta é para você.

Sua marca precisa se comunicar de forma simples, informando por exemplo telefone, catalogo de serviços, cardápio, endereço, reservar uma cadeira no restaurante, um horário para se tatuar e etc. Ou sua marca precisa proporcionar uma experiência ao consumidor?

Se a resposta for se comunicar de forma simples, um site mobile resolve todos os seus problemas, pois o consumidor irá buscar informações sobre sua marca de forma breve, além de não ficar muito tempo em seu site. Já um aplicativo implicaria na forma de como o consumidor busca sua marca, ele não abriria um aplicativo de sua marca para consultar o número de telefone e pedir uma pizza. Contudo ele abriria o aplicativo para pedir uma pizza via APP, por ser prático e fácil. Entendeu? Ficará anda mais claro abaixo.

Agora se a resposta for proporcionar experiência, o aplicativo é o seu caminho. Como o aplicativo da Nike +, que não vende nem expõe de maneira direta os seus produtos, apenas auxilia fãs de corrida a praticar o esporte de maneira segura, além de reunir atletas e funcionar como uma rede social. Ou o aplicativo do Netshoes, que facilita a compra dos usuários via mobile.

O aplicativo serve para facilitar a relação CONSUMIDOR X MARCA, e todo aplicativo deve oferecer um atrativo ao ser baixado. Seja um desconto, praticidade, usabilidade, desconto, diversão, entretenimento, enfim, a experiência deve estar sempre em primeiro lugar.

Outra vertente para se investir em mobile são as redes sociais, com a criação de conteúdo nos aplicativos Snapchat, Instagram, Whatsapp e muitos outros. Neste caso o segredo é ser relevante para o seu público, criando conteúdos que engajem o mesmo com a marca, entretendo-o, informando-o, enfim, sendo útil e agradável. Uma marca que se comunica muito bem com seus consumidores nas redes sociais é o Bradesco, que responde dúvidas em cerca de 20 minutos, além de compartilhar coisas interessantes e agradáveis para o seu público.

Hoje em dia milhares de marcas estão nas redes sociais e muitas delas possuem os seus próprios aplicativos. Mas e a sua empresa? Como sua marca se comunica no mundo mobile? Essa é a hora de estudar o seu mercado e investir no mundo mobile.

Agende uma reunião com a Moke e entenda essas e outras tendências do mundo digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>